Páginas

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Assim...

     Já é tarde, talvez já deveria estar na cama, no entanto, estou aqui refletindo sobre coisas toscas, mas inexplicáveis! Sabia que por um momento eu tive a certeza de que apenas a dor me inspira? Mas agora já não sei mais, porque estou escrevendo este texto, que talvez seja um dos piores, mas ao mesmo tempo é um dos mais grandiosos, porque ele é diferente, parece esse tipo de literatura contada em romance. Não sei nem com quais palavras prosseguir, mas tenho que registar esse momento súbito de minha "inspiração", se é que posso chamar assim... O que estará acontecendo? Será uma nova fase da minha escrita ou apenas um delírio de alguém que já está prestes a fechar os olhos, mas a luz de fundo de um computador não deixa que isso ocorra.
     Além disso, neste momento estou ouvindo minha cantora favorita, o que me faz questionar mais ainda! Se a inspiração viesse de uma dor, todos os artistas seriam infelizes todos os dias e isso, creio eu, não é possível. Mesmo assim eu não perco a esperança, até o fim deste texto pretendo chegar a uma conclusão sobre tudo isso. 
    Houve momentos em minha vida que pensei estar tudo perdido, e só hoje vejo o quanto me enganei! Tudo que eu esperava, mas não imaginava, se realizou de forma inacreditável, ou melhor ainda, surpreendente! Aprendi tanta coisa, e vejo que grande parte dessa mudança esteve presente no meu blog. Ainda me lembro das primeiras postagens, com um layout cheio de bolinhas laranjadas, azuis e verdes, e eu tinha certeza de que eram minha cara. E eram. Entretanto, eu mudei, e comigo, o layout também mudou. Mas não foram só as aparências, o conteúdo também ficou cada vez mais exigente, aberto e até mesmo criativo. Nunca contei muito com a colaboração de leitores, porque ainda não encontrei muitos, mas sempre que divulgo alguma postagem nova, fecho o blog com mais de trinta visualizações, e isso para mim é suficiente, aliás, acima de tudo o meu blog é pessoal, sendo assim, é impossível exigir que todos gostem daquilo que eu sinto e escrevo aqui.
     Mas para não fugir muito do assunto, eu vivi momentos intensos e todos eles foram compartilhados aqui. Se alguém quiser me conhecer, saber da minha história, estará tudo aqui, em um simples link perdido na internet, que já falou de amor, criticou os Estados Unidos, difamou a Rede Globo e foi totalmente contra as leis SOPA e PIPA (assuntos temáticos desse último mês), e ainda assim, os maiores índices de postagens foi sobre a dor que eu sentia, porque rendeu poemas, desenho, dissertações, e milhares de outros gêneros da arte.
     Não me considero uma autora, mas acredito que crio arte, pois tudo que envolve sentimento é arte!!! Além disso, fui privilegiada por gostar de Filosofia e Sociologia também, o que combinou perfeitamente com o bom Português. Isso também esteve em alta aqui no blog, sempre deixei minha opinião bem explícita, porque sou uma pessoa muito aberta, não pretendo iludir ninguém, e por isso, também não quero que ninguém venha me dizer que eu a decepcionei.
     Sendo assim, creio que consegui concluir uma das minhas maiores dúvidas, a inspiração vem de momentos assim, inesperados, com dor ou sem dor, com tema ou sem tema, com raiva ou sem raiva, mas sempre com emoção.


6 comentários:

  1. Amei, amei, amei! Fiquei triste quando acabei de ler, queria mais, tava tão bom ficar lendo. Tipo, eu tenho uma certa quedinha por letras, mas, com certeza, esse é um dos melhores textos que vc já postou. Parabéns, e poste cada vez mais. Adoro seus textos.

    http://nataliamedice.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Natália! Na verdade, só não posto mais por falta dessa inspiração... Mas acho que esses dias terão mais algumas coisas! :D

      Excluir
  2. nossa, bem massa esse post, confesso q nao li as outras, mas essa tá bem interessante... se perguntar da onde vem as coisas tanto materiais, quanto sentimentos e emoçoes é smp bom pra um sabado a noite em ksa XD
    parabéns, bem legal seu blog ;)

    ResponderExcluir
  3. Eu acredito que a inspiração vem sim com todos os tipos de sentimentos. Se voce quiser escrever um conto de aventura/comédia, por exemplo, voce pode ouvir algumas canções relacionadas ao tema e que sejam "alegres"

    No entanto eu acho que a tristeza é uma das inspirações mais poderosas. Acredito que ela te faça ter um contato muito mais amplo e analítico com a sua alma e o seu redor. A dor te impõe reflexões e sensibilidades que uma musica alegre nao te faria imaginar, toca a alma de incontáveis maneiras e acima de tudo, ela te machuca. E quem se machuca de forma inteligente, sempre tira alguma lição do final. É o que eu penso... ou parte, infelizmente o sono nao me deixa organizar tao bem as idéias, mas espero que tenha dado pra entender o meu ponto de vista x) e gostei do texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei seu comentário! Profundo e simplificado. É exatamente isso, a "dor inteligente" parece ter um poder maior sobre os outros sentimentos, basta saber tirar proveito dela...

      Excluir