Páginas

domingo, 1 de abril de 2012

Ahh, borboletas!


É uma história tão grande para ser contada aqui. Na verdade nem sei quando ela começou e quando terminou se é que já acabou. Tudo não passava de ilusões, e estas nunca viraram realidade. Também não sei como deixei isso acontecer, eu não queria que fosse assim, mas infelizmente não pude controlar!
Começou bem simples, como se nunca fosse florescer, e agora não é possível expulsar todas as borboletas mais. Os pássaros já sabem exatamente onde construirão seus ninhos, enquanto eu ainda nem escolhi o meu caminho. Tudo fugiu do meu controle e eu tenho medo de decepcionar alguém no meio de tanto conflito.
No que a minha vida se resume, me perdi. Aliás, também não foi tão trágico, posso estar exagerando, mas tenho muito medo, porém tenho muita fé também. Tudo que parecia estar escrito, agora está desencadeado. Toda a forma de percepção está confusa e sonolenta. Nem é tão difícil quanto digo, mas decidir é quase impossível.
Acho que eu deveria abandonar tudo isso e ir atrás dos meus sonhos, mas não posso largar tudo o que levei anos para construir e ir viver um sonho, que durará o tempo de um sonho também. E isso tudo aconteceu logo comigo, que ainda tenho tantas dúvidas sobre qual é o melhor sabor de sorvete... Mas agora é tarde, o que tinha que acontecer já aconteceu e tudo foi longe demais. Pelo ao menos está tudo guardado bem no fundo daquele vazio que existe em mim, está tudo lá, e de lá nunca sairá.
Felicidade é passageira, tristeza também. Faz tempo que não me apego a isso mais, entretanto saber que estou caminhando sozinho por entre caminhos tão inóspitos me deixa confusa às vezes. Não existe ninguém no mundo que poderá mudar isso, mas existe um mundo que poderia me levar para si, e assim transformar tudo isso em lembranças.
Até os intervalos dentro de uma sala já estão me cansando, estou cansada dessa gente que nunca deixará de ser mais um estranho para mim. Eu queria ir para bem longe, talvez os sabiás nem cantassem lá, e os campos nem tivessem tantas flores, mas eu prefiro assim, quero distância dessas borboletas que não param de me perseguir.
Enquanto muita gente sofre com sombras, eu sofro com borboletas! Pode parecer mesquinho da minha parte, mas as sombras são mais a minha cara. A questão é que esse não é o momento propício paraa borboletas. Eu preciso mesmo é de ar, mas só quando eu sair do fundo desse oceano conseguirei respirar novamente.
Enfim, isso nem me afeta tanto mais, porém precisava desabafar, e as palavras sempre me ajudaram a me livrar de qualquer coisa que eu não quisesse mais, e espero que seja assim, que tudo isso se transforme, que essa borboleta volte para seu casulo e que os canários voltem a cantar como antes cantavam toda manhã.

4 comentários:

  1. Nossa, que texto lindo! Você tem muito talento menina!!!!! Adorei :)
    Beijos

    http://pollymomentos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Pena que a literatura em nosso país não seja uma coisa muito difundida.

      Excluir
  2. Borboletas realmente são 'atormentantes' D:

    ResponderExcluir